FRACTAIS DE MIM

Paredes em branco borradas de passado
Cinzas sobressaindo dos cantos de cada cômodo
Detalhes que camadas e camadas de tempo não apagam
Rachaduras em minha pele que não sangram mais
Mas que ainda são um lembrete do que o fogo é capaz

Mesmo que em tardes calmas desprovidas de luz solar
Eu quase me sinta como se não estivesse em remendos
Em algum lugar dentro dos meus olhos ainda mais obscuro
Eu sei que não posso reviver minha altivez em secar meus olhos
Como se nada pudesse me ferir
As lágrimas bateram e quebraram essa parte de mim

Por mais que eu agora esteja sã e salva
Eu sei que estou curada, mas não estou intacta
Sou como um daqueles quadros de Salvador Dalí
Um conjunto de relógios derretidos marcando tempos destintos
Sou aquele encontro surreal de beleza e caos... 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Eu já morri!"

AINDA NÃO CHEGAMOS AO XEQUE-MATE