A embarcação roxa volta a terra

Talvez hoje eu precise de uma bebida tão forte que talvez hoje eu não devesse beber nenhuma.

Confesso que hoje eu preciso de algo que não existe, estou amarrada na necessidade dessa existência, mesmo sabendo da evidência dos fatos, mesmo sabendo que não existe vida naquele planeta distante que uma vez tentei habitar (não para minha espécie).

Voltei de lá irreconhecível, tão irreconhecível que eu tenho certeza que esqueci alguma parte essencial minha por lá. Tentei voltar algumas vezes e reaver o que perdi, mas voltei com mais ausências de verdades em meus braços. Não tenho adaptação suficiente pra sobreviver na arritmia sempre presente, nem sequer ser satélite ou algo estável em areia movediça.

Pensei que eu fosse a torre de pisa que balança mais não cai, mas eu caí!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Eu já morri!"

FLORES PRA TE ENCONTRAR

AINDA NÃO CHEGAMOS AO XEQUE-MATE