4 notas


Tem um gosto de solidão no aconchego do sofá singular que já nos serviu de plural.

Tem um tom de amargor aquela música doce que ainda não se conjuga no tempo certo que passou.

Tem uma lágrima no sorriso que vem espontâneo ao ver aquele sorriso que nunca mais me será dedicado.

Tem uma dor ao lembrar da alegria do quanto esse seu ódio já foi amor...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carta ao meu eu de 30 anos

Eu que não falo de amor

Um brinde para nunca crescer!