Nota de rodapé

O jornal da noite mostrou uma matéria no mínimo irônica hoje, estava dando dicas do que a pessoa deveria fazer caso seu caiaque virasse no meio de uma correnteza muito forte com pedras, etc. As opções eram sair do caiaque e lutar pra nadar até a margem, se amarrar a uma corda de alguém que ofereceu ajuda ou ficar quieto em posição fetal esperando o próprio rio seguir seu curso e te levar parar águas mais calmas passíveis de nado.

Segundo os telespectadores que votaram no que seria a melhor opção, segundo eles a opção que traria mais chances de sobrevivência seria se enrolar numa corda oferecida por alguém, mas segundo os atletas acostumados com o esporte e os especialistas em afogamentos a melhor opção seria se manter em posição fetal e deixar a correnteza te atingir e te levar para águas mais calmas.

Isso me fez rir da nossa própria natureza humana e como reagimos às situações, eu ri porque são poucas as pessoas que tem essa resiliência de aceitar a má sorte e se deixar doer, aceitar o momento ali sozinho no fundo da água enquanto a correnteza te joga contra as pedras, enquanto a água quase toma conta dos pulmões. Quem não tenta sair nadando implorando por ar se batendo em todas as direções? Quem não pega as cordas e tenta se enrolar até perceber que isso só está atrapalhando mais ainda?

Eu estou lá no fundo, depois de tentar me debater e engolir muita água, depois de perder pros meus próprios demônios, depois de me enforcar com a corda que parecia ser a salvação. Estou deixando a água me levar, estou apanhando da correnteza, estou sentindo a dor de não saber nadar e mesmo assim ter me aventurado, estou começando a sentir a anestesia da água fria enquanto espero a calmaria, ela vai chegar, o jornal disse que o rio tende a levar seus dejetos a lugares mais amenos se a gente segurar o ar e ir devagar com as correntes que não temos força pra quebrar...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carta ao meu eu de 30 anos

Eu que não falo de amor

Um brinde para nunca crescer!