"Tenho um por que, (por favor), desligue a luz!"

Eu nunca soube usar os porquês, nunca soube colocá-los corretamente nas frases, nunca soube explicar a razão por trás deles nas minhas praticas tão pouco. Sempre tive que recorrer a uma gramática pra saber onde colocar cada qual em seu devido lugar, sempre tive que recorrer a minha (não tão confiável) emoção para explicar tais causas e questões e ainda assim, constantemente eu coloco o porquê errado diante das minhas causas.

Entenda que talvez eu não saiba explicar com coerência que a minha raiva é o limite divisor do quanto eu me importo, por que o meu não importar é ignorar, o meu não importar é manter meu telefone desligado é nem cogitar erguer a minha voz, é não precisar morder os meus lábios para me conter, meu não importar é cara de paisagem. Se eu me dou ao trabalho de fazer esse ato que eu detesto, que é ter que erguer a minha voz em frustração, parabéns, você conseguiu captar minha atenção, mas por mais que toda essa comoção signifique a minha inclinação, não abuse dos meus timbres, por favor, eu ainda prefiro sussurrar, eu ainda prefiro não precisar virar meu rosto, empinar meu queixo, levantar meu tom, explicar o porquê de tal assunto ainda ser sensível à minha audição.

E o porquê/motivo final da minha intervenção é que se eu não consigo expressar meus porquês em frases supostamente simples, em construções estritamente gramaticais, como você espera que eu saiba usar o porquê certo para tomar a decisão correta ou explicar o meu por que de ser tão errada e não me importar com isso? Por que tudo que eu tenho são os meus porquês/razões, mesmo quando eu não tenho razão nenhuma...



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carta ao meu eu de 30 anos

Eu que não falo de amor

Um brinde para nunca crescer!