Amortecedor (amor-tece-dor)

Você me pede uma chance como se pedisse para eu te passar a manteiga na mesa de café da manhã, me pede uma chance como se me pedisse pra ir ao mercado no domingo, como quem pede um favor trivial qualquer meramente por tédio ou incontentamento, mas no fundo eu sei que você coloca toda sua esperança ao me pedir. Você me propõe que eu fique um pouco mais quando eu já decidi ir embora, quando eu já fiz minhas malas, quando eu já encontrei outro caminho diferente do que você quis traçar pra mim. Você me cede um lugar e abre mão uns poucos passos, retrocede um pensamento, ameaça a minha solidão, me torna vilã da sua história e requere que eu amenize um pouco a dor que eu causei e as que eu não causei também.


E eu te dou, eu te dou uma chance como quem faz uma promessa, como quem acredita em papai noel, como quem sonha com o coelhinho da páscoa. Eu te dou uma chance como quem aceita assinar um contrato em branco sabendo das grandes chances dos termos serem violados. Eu te dou uma chance em parte por que meu coração não tem escolha, em parte por que eu preciso dessa chance também. Eu preciso do seu sorriso de café da manhã, eu preciso de uma brincadeira sobre o quanto eu sou desastrada, eu preciso de um abraço forte que me mostre que as coisas ainda tem conserto. Eu me recuso a acreditar que isso é uma causa perdida, eu me recuso a deixar você ser uma causa perdida, eu me recuso a ser sua causa perdida...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FRACTAIS DE MIM

Um brinde para nunca crescer!

Eu que não falo de amor