Entre o "vai passar" e o "passou"...

A minha solidão
Tem o tamanho exato das suas mãos
Traçando novos caminhos sob minha pele
Tem o peso do seu corpo
Abandonado ao lado do meu
Tem a profundidade do seu olhar
Indiscreto e quase perverso
Em uma oração silenciosa
Um grito mudo no meu coração
Despindo o medo que reguei nesses anos
Diluindo as paredes que cuidadosamente construí...
A minha solidão
Ela tem o encaixe preciso dos seus lábios na minha lateral
No frio que antecede o calor
Da incerteza que se faz tão certa
Tem o timbre firme da sua voz
Falando entrecortada no escuro: Fica..."


Comentários

  1. Ah, o quão doloridas são as despedidas. A solidão nos invade, persegue e parece só se desvair quando a pessoa amada nos acalenta em seu colo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Carta ao meu eu de 30 anos

Eu que não falo de amor

Um brinde para nunca crescer!