Sob a respiração...

Indistintamente
Há mais estrelas essa noite do que nas anteriores
Faíscam segredos e eu escuto de perto a minha canção de ninar
Deixo guardado o que um dia eu quis

Inevitavelmente e previsível, desencantei
Protegi em mim
Irreparável, não mais tentando buscar o que passou, é fim!

Olhos abertos, eu vou esperar o sol chegar
Despeço-me das estrelas, cúmplices de um tecido segredo
Beijo a noite com meus braços abertos
Asas prontas, é uma renovada constelação, de dia...

Novamente, eu estarei aqui na noite seguinte
Dividindo a leveza (e também o peso) que trago
Singela e doce, a leveza intensa que deveria pesar
Mas se fez chuva, eu já posso sentir...

Não mais inalcançável, não mais dolorido
Apenas melancólico...

Aproveito (não mais suporto) o dia enquanto a noite não vem
Deliberada, haverá sempre um lugar seguro, sim!
Distraída, aquém dos meus esconderijos sempre presente...

Não há solução, apenas atalhos e superficiais remediações...




Comentários

  1. A melancolia e a nostalgia, quando nos enlaçam, parecem ser um caminho muito difícil de ter volta. Mas nada é impossível, desde que se queira deixar o passado pra lá.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

FRACTAIS DE MIM

Um brinde para nunca crescer!

"Eu já morri!"