Moça...

Você, perdida no espaço parecia tão triste no dia que te conheci, seus olhos perderam o brilho olhando pro nada, secretamente você pedia que aquele dia nunca tivesse chegado. Eu vi você engolir a mágoa e fingir um sorriso para não ter que dizer que era cruel ali embaixo, que você só queria ir para casa e dormir. Seus olhos, eles pediam um pouco de paz, um pouco de zelo. E eu me vi querendo te cuidar, te conhecer melhor, eu quis ver um sorriso verdadeiro nos seus lábios cerrados. Eu quis conhecer a sua história, quis saber das manias que te fazem singular, da rotina dos seus dias, do que motiva seus passos ritmados. Eu quis saber o seu lugar preferido nesse mundo maluco, a sua opinião para aquilo que eu não tenho nenhuma, os seus conceitos, seus desejos. Eu quis fazer parte do seu dia-a-dia. Tenho essa mania de olhar para alguém e de repente querer ser parte do mundo da pessoa, querer saber sobre ela, querer entender, acolher. Talvez sejam os olhos, talvez seja o tom da voz, talvez seja apenas a saudade que eu sinto de coisas que eu nunca tive...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carta ao meu eu de 30 anos

Eu que não falo de amor

Um brinde para nunca crescer!