Fendas ocultas

Eu vejo nas entrelinhas do seu abraço

O seu desejo de estar mais perto

Das entrelinhas dos meus traços

E enquanto eu lhe descrevo em poesias

Que adormecem na ponta da minha língua

Digo que estou encantada por outras linhas

E no silêncio daquilo que eu pronuncio

Eu te refugio em cada verso que disponho

Guardando um pedaço meu em prelúdio

Na desesperança que espera um gesto

Na confiança que mantenho oculta

Nos meus olhos cansados, mas pra você, sempre abertos...



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carta ao meu eu de 30 anos

Eu que não falo de amor

Um brinde para nunca crescer!